Você sabia que existem cogumelos comestíveis nativos da Amazônia? Esse é um dos conhecimentos passados entre gerações de indígenas há centenas de anos.  Agora ficou mais fácil ter acesso a esse e outros saberes da floresta. Conheça Ritto, o arroz feito com cogumelos Yanomami que ajuda a preservar a floresta e as comunidades vivas dentro dela. A mudança começa pelo nosso prato!

Aqui você vai ver:

Os povos indígenas

Pense um pouco sobre as suas aulas de História e reflita: o quanto você aprendeu sobre os povos indígenas? Infelizmente, muito pouco se fala sobre a civilização que já ocupava nosso país antes da chegada dos portugueses e, geralmente, o assunto se restringe ao ambiente escolar como parte de um passado transformado em números.

O quanto você conhece sobre a origem do povo brasileiro e suas raízes indígenas?

Porém, como você sabe, o Gastronomia Carioca também é cultura. Por isso, vamos passar o resuminho de uma longa e rica história de família que infelizmente tem sofrido impactos, sobretudo por conta dos interesses econômicos do garimpo e da extração de riquezas naturais.

De acordo com o site Povos Indígenas no Brasil (parte do portal do Instituto Socioambiental – ISA), dados mostram que, na época da chegada dos europeus, existiam mais de 1.000 povos nativos no Brasil, somando entre 2 e 4 milhões de pessoas. Atualmente encontramos no território brasileiro cerca de 256 povos distribuídos em milhares de aldeias e falantes de mais de 150 línguas diferentes.

Os povos indígenas correspondem a aproximadamente a 0,47% da população total do país.

Fonte: Povos Indígenas no Brasil (ISA)

Entre alguns povos, estão os Guarani, Kayapó, Nambikwara, Tiriyó, Waiwai e Yanomami, entre outros, com sua cultura e diversidade interna.

Yanomami

Os Yanomami são um povo formado por cinco grupos que falam línguas aparentadas: sanöma, ninam, yanomam, yanomamɨ e ỹaroamë. Eles compartilham características culturais e conhecimentos como rituais funerários, pintura corporal, xamanismo, cantos, técnicas de caçar e de fazer roça.

Para os Yanomami, a terra-natureza “urihi” compõe complexo ciclo de vida do qual os seres humanos fazem parte.

No início do século XIX, os Yanomami mantinham contato apenas com outros grupos indígenas vizinhos. No início do século XX, o contato com os extrativistas locais começou a tornar as comunidades mais “acessíveis” e, com isso, graves surtos epidemiológicos começaram a acontecer na região.

Na década de 70, o “Plano de Integração Nacional” lançado pelo governo militar, abriu um trecho da estrada Perimetral Norte (1973-76), o que coincidiu com o projeto de levantamento dos recursos amazônicos RADAM (1975), que detectou importantes jazidas mineirais na região, dando início a uma corrida do ouro nos anos 80 (que continua até hoje), ameaçando a integridade das terras, levando à violência e a graves problemas sanitários e sociais.

Ritto: uma iniciativa gastronômica a favor dos Yanomami

Atualmente, diversas iniciativas lideradas por associações e organizações sem fins lucrativos, lutam pela preservação da floresta e dos povos como os Yanomami, e contam com o envolvimento de marcas e empresas que enxergam a sua importância socioambiental, visando além do lucro, mas uma oportunidade de conscientização. É o caso da Mãe Terra e seu novo Ritto com Cogumelo Yanomami: uma forma de revelar a riqueza da sociobiodiversidade da Amazônia. 

“A comercialização do Cogumelo Yanomami tem muitos impactos positivos, entre eles a geração de renda para as comunidades Sanöma. Elas coletam e beneficiam os cogumelos a partir de seu conhecimento tradicional da floresta, que é único, e com isso são protagonistas de um movimento por uma nova economia.”

Amanda Latosinski, do ISA, que assessora a Hutukara Associação Yanomami
Ritto com cogumelo Yanomami Mãe Terra.

O Cogumelo Yanomami não é apenas  um alimento. É conhecimento ancestral, que mostra toda força dos povos indígenas e o cuidado com as florestas e com a vida. A coleta desses cogumelos gera impactos positivos para o povo indígena Yanomami e ajuda a manter a floresta em pé.

As quinze espécies de cogumelos do Ritto são coletadas pelos Sanöma, parte do povo Yanomami. Esse é um dos grupos que vivem na porção mais ao norte da Terra Indígena Yanomami, na fronteira do Brasil com a Venezuela,  conhecida como Awaris. São, ao todo, 3 mil pessoas de 20 comunidades indígenas que habitam as margens do rio Ãsikama u, o rio Auaris.  

O Ritto com Cogumelo Yanomami segue os princípios da Mãe Terra. Ele é integral, livre de transgênicos e aditivos químicos, é vegano, tem um sabor delicioso, privilegia os pequenos produtores nacionais e valoriza os ingredientes nativos do Brasil. 

De onde vem os cogumelos Yanomami Mãe Terra.

Os parceiros

A Mãe Terra é uma marca que utiliza ingredientes orgânicos, vegetais e livres de transgênicos, que valoriza o uso de insumos nativos do nosso país. Para a criação do seu novo Ritto, Mãe terra se uniu à Hutukara Associação Yanomami, a Rede Origens Brasil®, e ao Instituto ATÁ para trazer um arroz com cogumelos da Amazônia brasileira, coletados de forma sustentável na Terra Indígena Yanomami, promovendo uma relação de comércio ético e transparente.

Para a rede Origens Brasil®, o produto vem enriquecer as possibilidades de atuação das empresas na valorização dos povos e na manutenção da floresta em pé.

“Essa parceria entre o povo Yanomami e a empresa Mãe Terra mostra como é possível o setor empresarial se relacionar comercialmente de forma diferenciada, ética e direta com os povos da floresta, tendo a sociobiodiversidade como fonte de inovação, gerando bons negócios tanto para as empresas quanto para os povos que mantêm a floresta de pé.”

Patrícia Cota Gomes, gestora da Rede Origens Brasil® no Imaflora.

Conheça cada um dos parceiros que levam sabor e iniciativa ao seu prato:

Conheça os parceiros que fazem parte dessa história.

Hutukara Associação Yanomami

A Hutukara Associação Yanomami é uma associação indígena sem fins lucrativos fundada em 2004, que congrega e representa todos os povos indígenas da Terra Indígena Yanomami (TIY). A Hutukara faz a defesa dos direitos e da cultura desses povos.

A Rede Origens Brasil®

O Origens Brasil® é uma rede reconhecida e respeitada por seu fomento à economia local dos produtores da Amazônia. É uma rede que conecta empresas a cadeias produtivas sustentáveis em áreas prioritárias de conservação na Amazônia, gerando valor para os povos indígenas e populações tradicionais que vivem da floresta – os verdadeiros guardiões do nosso patrimônio socioambiental. O Origens Brasil® viabiliza negócios em prol da floresta em pé com garantia de origem, rastreabilidade, transparência e promovendo comércio ético.

Mãe Terra

A Mãe Terra é líder no segmento de alimentos naturais e orgânicos desde 1979. A sua proposta é a produção de alimentos gostosos e saudáveis e que respeitam o meio ambiente e os pequenos produtores.  Além de ser atualmente um dos maiores compradores de orgânicos do Brasil, A Mãe Terra aumenta cada vez mais o número de ações que têm impactos significativos para a indústria de alimentos. 

Instituto ATÁ

O Instituto Atá reúne um grupo de profissionais que buscam aproximar a relação do homem, os alimentos, cozinhar e o produzir. Agir em toda cadeia de valor, com propósito de fortalecer os territórios a partir de sua biodiversidade, agrobiodiversidade e sociodiversidade, para garantir alimento bom para todos e para o ambiente.

Receita de arroz de pato no tucupi por Roberto Neves

Para utilizar o seu novo Ritto em uma receita bem brasileira, o Chef Zona Sul Roberto Neves, que entende muito bem do assunto, ensina a preparar um delicioso arroz de pato com tucupi com seu novo Ritto. Anote o passo a passo e saiba como deixar o seu arroz com cogumelos Yanomami ainda mais incrível.

Ingredientes

  • 1 litro e meio de tucupi
  • 1 und. de pato cozido nas ervas
  • 300g de Arroz Ritto
  • 4 colheres de sopa de cebola picada
  • 1 colher de sopa de alho picado
  • 1 colher de sopa de pimentão vermelho picado
  • 3 pimenta-de-cheiro picadas
  • 1 fio de azeite ou 30 mL de azeite
  • 2 colheres de sopa manjericão picado
  • 2 colheres de sopa de salsinha picada
  • 6 und. de castanha-do-pará picadas

Modo preparo

Desfie a carne de pato cozida em lascas e reserve. Em uma panela grande, em fogo médio, refogue a cebola, o alho, o pimentão vermelho e a pimenta de cheiro no azeite até murcharem.

Junte o arroz e a carne de pato e refogue por um minuto. Adicione o tucupi, a chicória, o manjericão e o coentro e mexa bem. Tampe a panela e cozinhe, mexendo a cada cinco minutos, sem deixar ferver, até o arroz ficar macio, mas ainda al dente. Desligue o fogo.

Junte a salsinha e a castanha e regue com um fio de azeite. Tampe e deixe abafado por dois minutos. O arroz deve estar bem úmido na hora de servir.

Onde encontrar

Para garantir seu novo arroz com grãos e cogumelos nativos Ritto, apoiar as comunidades locais Yanomami e ainda deixar seu prato muito mais gostoso é muito, muito fácil. Você encontra o Ritto no supermercado mais amado do Rio e pode pedir o seu pelo site, app, WhatsApp ou visitar uma loja mais perto de você.

Conecte-se às suas origens através da gastronomia e fique ligado nos sabores do Brasil.