Você acha que é possível montar uma tábua de queijos com toda a variedade de texturas, sabores e aromas que uma tábua precisa ter usando 100% queijos brasileiros? O Expert André Guedes ensina a preparar uma recepção deliciosa e calorosa, com todas os sabores do Brasil. Boa degustação!

O que saber antes de montar sua tábua

Antes de preparar sua tábua, é importante calcular a quantidade de queijo por pessoa.

Normalmente, quando é planejada uma tábua só de aperitivo, calcula-se aproximadamente 150g por pessoa. Ou seja, se for uma tábua para 10 pessoas, o total será de 1,5kg de queijo.

Quando a tábua é uma refeição principal, como em uma noite de queijos e vinhos ou cervejas, pode-se calcular 250g por pessoa.

Expert da padaria, Stanislas Brito e tábua de queijos

Quanto às escolhas dos queijos, considere que precisam ser escolhidos para a degustação queijos de consistências diferentes: mais moles, macios, semiduros, untuosos e duros de sabor mais intenso. A experiência completa da degustação da tábua se dá pela combinação de consistência, textura e aroma.

Importante começar com suaves, depois queijos de media intensidade e finalizar com picantes, para que exista uma evolução e percepção sensorial das diferenças.

Expert André Guedes

Alguns detalhes são importantes como tirar seus queijos cerca de meia hora antes da montagem da geladeira e cortar pedaços de no máximo 25g.

Acompanhamentos

Quanto aos acompanhamentos, o pão é imprescindível. Evite os pães saborizados, para não abafar o sabor do queijo. Os pães de fermentação natural como Baguette Roustique, Pão Pochon e Santa Mônica são ótimos para compor sua tábua!

Pão Santa Mônica

Além dos pães, as frutas são bem-vindas! Tanto as frescas como maçã ou pera quanto as secas e oleaginosas, como castanhas, amêndoas e nozes vão bem na degustação e complementam o valor nutricional do prato.

Frutas e pães como acompanhamento complementam o valor nutricional do prato.

Escolhendo queijos brasileiros

O Brasil é rico em queijos de qualidade. Desde os famosos queijos artesanais mineiros, produzidos em regiões com identificação geográfica como Salitre, Serro, Cerrado Mineiro, até queijos produzidos em território nacional com tecnologia francesa.

Queijos artesanais de Minas

Os queijos artesanais produzidos em Minas são oriundos de influência portuguesa, utilizando como fermentação o soro do dia anterior e o leite cru. O resultado são queijos mais ácidos com sabor bem lácteo e aroma herbal da pastagem da qual o gado se alimenta nessas regiões geralmente montanhosas.

O guia de negócios sobre queijos artesanais brasileiros da EMBRAPA mostra em maiores detalhes as regiões produtoras e os tipos de queijos produzidos em território nacional.

Monte sua tábua! Passo 1: queijos pastosos

Comece sua degustação com queijos mais pastosos, como pastinha de ricota, boursin, mozzarelline de vaca ou Burrata. Experimente os queijos Vitalatte.

Passo 2: queijos mais firmes

Em seguida, opte pelos queijos mais firmes e não muito picantes como os queijos meia-cura de Jersey, meia-cura do Serro ou minas padrão de búfala.

Passo 3: queijos mais picantes

Na sequência, escolha queijos curados do cerrado mineiro, que possuem características mais intensas de sabor e aroma. Para terminar, vá sem medo nos queijos mofados como o gorgonzola.

O Brasil produz queijos mofados com tecnologias derivadas da França, como as empresas São Vicente e Campo Lindo no sul de Minas, que produzem queijos tipo Brie, tipo Camembert ou tipo Gorgonzola.

Como facilitar a identificação

O tipo do corte do queijo tem a função de tentar mostrar como ele é por inteiro. Nem tudo se resume a cortar em cubinhos. O corte deve expressar a característica mais marcante da peça.

  • No caso do Emmental, o corte deve valorizar as olhaduras;
  • Para cortar um Camembert a forma mais indicada é cortá-lo em cunhas;
  • Grana Padano deve ser lascado;
  • Brie, em vez de cortar quadrado, fazer um desenho em cunha, de forma que represente seu formato original;
  • O gorgonzola pode ser cortado em pequenos triângulos.

O ideal é cortar um pouco do queijo em pedaços não muito grandes e deixar um pouco do queijo não cortado ao lado para a pessoa identificar de onde veio aquele pedaço. Uma plaquinha com o nome do queijo pode ser muito simpático.

Para ver as dicas do Expert de forma bem didática, aperte o play!

Tábua de queijos por Expert André Guedes

Harmonizações

Na hora de experimentar cada um dos queijos da sua tábua, nada melhor do que combinar com boas bebidas. Seja você um amante de vinhos ou cervejas, tem espaço pra todo mundo!

A regra básica da harmonização é o equilíbrio.

Expert André Guedes

Cervejas

  • Queijos mais suaves com cervejas filtradas, como Pilsen ou Lager;
  • Média intensidade com cervejas de trigo, como Witbier ou Weissbier;
  • Mais picantes e maturados com cervejas fermentadas com ALE, IPA e APA que são cervejas mais potentes.

Vinhos

Para os vinhos, o segredo é evoluir junto com os queijos. O Expert Dionísio Chaves indica rótulos para deixar a sua degustação ainda mais interessante:

  • Para os queijos iniciais, vinho branco como o Amitié Sauvignon Blanc, que harmoniza com queijos mais jovens e mais ácidos;
  • Vinhos tintos como Pinot Noir, Cabernet Franc e Tempranillo vão bem com queijos maturados. Experimente Dal Pizzol Cabernet Franc e Cristofoli Sangiovese;
  • Gorgonzola vai bem com vinho licoroso ou vinho do porto português. Experimente Aurora Late Harvest ou Romariz Rubi.

Que tal preparar sua tábua com os sabores do Brasil agora mesmo? Faça seu pedido pelo WhatsApp na loja mais próxima de você!